Zelador

Minha foto
...de repente, o que está aqui lhe apetece.

Seguidores

sábado, 5 de fevereiro de 2011

COMPANHEIRO ACIDENTAL


Acredito que tudo o que a humanidade já conceituou sobre "um comportamento humano" pode-se projetar nos cachorros. Eles ainda possuem o benefício do instinto e, em menor escala(dependendo de nossa loucura),a racionalidade e a emoção. São maus quando têm que ser maus e bons quando lhes convém. É intrigante.

Havia ou há uma clínica veterinária em Petrópolis com o lema estampado no letreiro "um tratamento humano para o seu animal". Sei não... será que o nosso "Mundo Cão" é para eles, Canis familiaris, o Mundo Humano? Os veterinários poderiam estudar sociologia e antropologia também, caso quisessem entender mais sobre o cachorro, palavras dos próprios profissionais da área.

Muito a se pensar, conversar, debater, refletir, estudar em várias vertentes científicas e artísticas. Não é à toa que é tido como melhor amigo do homem, o nosso whisky engarrafado, como as sábias palavras de Vinícius.

O cachorro é engraçado por natureza. Uns mais do que os outros: O vira-lata, em primeiro lugar, seguido do Galgo e do Afghan Hound (também galgo). Já ouvi por aí que o Poodle adveio de uma experiência genética que o faz pensar ser humano. Os cães acompanham a todos os seres humanos e também a algumas outras espécies do reino animal ou artificial. É o animal universal e atemporal.

Eles estão sempre na companhia de quem lhes apetece urbi et orbi. Nas pirâmides de Gizé, sob o tórrido sol do norte da África; nas monções asiáticas e na umidade equatorial; na Groenlândia, ajudando os esquimós na caça e pesca sob e sobre o mar congelado; farejando água no Atacama e subindo as infindáveis alturas dos Andes. Tossem nas grandes e poluídas metrópoles, bem como nas empoeiradas roças do mundo.

Com a dona de casa, rica ou pobre, participando de seus costumes; auxiliando mendigos e patrões compreendendo-os em todas suas frustrações insanas (ou racionais); dentro do carro, pondo a língua para fora e curtindo o vento da janela aberta. Caminhando pela estrada, sozinho, com seu propósito obscuro para nós; e adotando este escriba que lhes apurrinha numa exposição agropecuária.

Tanta lenga-lenga para chegar onde eu queria: no dia em que um cachorro me adotou antes dos shows na Exposição Agropecuária de Itaipava.

"Assucedeu-se" em 1998, tinha 20 anos os quais nenhuma Rita me roubara. Antes da crise de 99, vinte reais era muito dinheiro, mas o fato de depois das 19 horas passarem a cobrar ingressos, impeliu-me a chegar à exposição bem cedo, sozinho. Dei uma cipoada num whisky lá em casa e parti, decidido. Os ônibus não estavam empaçocados ainda, mas lotados. Eram 20 pratas para cervejas, caméis (plural de cachaça com mel) e muita preambulação perambulante pelas baias dos bichinhos. Dispensei o rodeio.

18h30. Cheguei, passando de passagem pelas comportas da bilheteria. O preço seria esperar a galera, que marcara às 23 na barraca da boite Rodeo. Já peguei uma cangibrina e parti para os aconchegos dos animais. O maluco botou uma fatia de laranja na borda do copo de plástico. "Para quê, cumpádi?", pensei. Mirei um barril de lixo, azulão, e como um frisbie aquela fração cítrica girou e bateu no meio do barril. Quando pensava em me desculpar pela sujeira, em minha hipocrisia de limpeza urbana, um vulto disparou em direção à laranja.

Chegou feliz, chafurdou o objeto, lambeu-o, decepcionou-se (talvez fosse um pedaço de carne, como o cheiro dos churrasquinhos) e veio até mim. "Pois é gente-boa, é apenas uma fruta". Porte médio, bege, rabo que iniciaria uma espiral. "Macho ou fêmea?", macho. Dei uma assobiada, fiz festinha no cocuruto dele e lhe desejei melhor sorte da próxima vez, sugerindo-lhe até que fosse para a área das barracas de picanha e afins. Tomei meu rumo e um gole daquela fubica que eu bebia. Como disse, estava disposto a saber algo sobre bovinos, equinos, caprinos e, quiçá, bufalinos.

O Gente-boa se levantou, mostrou as patas, quis lamber minha mão, cafungou alguma coisa. Pedi-lhe permissão para me retirar, já me retirando. Vã tentativa. Ameaçava uns latidos e me seguia, amarradaço! "Então vamos, JB (Gente-boa), vamos dar um rolé por aí. Vamos ver outros membros de nosso Reino."

- Uaaaff, rrrr!
-Aí eu já não sei, tenho 17 contos agora, vai ser difícil eu arranjar uma coisa para você. Vamos lá.
- Rr Waaf!
- Não, faço Direito, na UCP, e estagio na Defensoria.

E assim fomos, num vasto e educativo diálogo, enquanto explorávamos lugares que só se visitam durante o dia, nas exposições. Ele me falou, com certo rancor, que as cadelas do hoje-em-dia são umas mulheres mesmo. Eu falei para ele não exagerar, que havia sim, umas mulheres cachorras, mas nem todas cadelas são assim tão mulheres. Ele aquiesceu, falou que não devemos xingar assim as mulheres/cadelas, muito embora algumas gostem disso. Também concordei.

Lá pelas 21h, meu celular (celular da família, no caso) tocou e era um comparsa que já havia chegado. Antes de me despedir do JB, fomos até à barraca, pedi mais uma cangibrina, igual a anterior, e um churrasquinho de frango.

- Toma aê, JB, mas segura a onda hein - dividimos a iguaria.

Nada mais falou. Pegou o "ganho" e sumiu para o escuro, lá perto da na arena do rodeio. Eu me encontrei com os caras:
-Fala Tackle, chegou cedo...
- É, vim para não pagar a entrada, mas já gastei nesse bagulho aqui. Nem sei o nome, mas é forte, vai um gole?
- Já se encontrou com alguém aí? - disse o outro.
- Não, só troquei uma ideia com o Gente-boa ali.

Apontei para o escuro e eles nem ligaram. Rumamos para uma barraca qualquer.

Itaipava, 5 de fevereiro de 2011.

15 comentários:

  1. Respeito sua preferência pelo JB 15 anos, mas o correto é ZB.

    E como diria Magri, cachorro também é gente, oras. Agora, gostar de comer laranja, só com muita fome, coitado.

    ResponderExcluir
  2. Não sei, não gosto de cães.

    http://vemcaluisa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. (Bem lembrado o ministro Magri, o cachorro também é um ser humano!)

    Porque cachorro é o melhor amigo do homem, segundo o velho ditado. Dizem as más e boas línguas que ele é o melhor amigo só porque sabe que o ser humano tem mais de 200 ossos. Mas a cachorrada gosta mesmo de carne, conforme o saudoso Rex Viralatex da Silvatex, um cachorro que deixou saudades na família.

    E o cachorro é tão íntimo do cerumano (as aulas estão chegando, preciso me acostumar) que até inspira verdadeiras obras de arte. Virginia Woolf ( "Flush"), Pink Floyd ("Dogs") e o genial Waldick Soriano com "Eu não sou cachorro não" - que ganhou uma versão não menos genial do extraordinário filósofo Falcão, "I´m not dog no".

    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Chorik e Jaime, que complementar de suas assertivas aqui? o Cachorro é Político, É Rock, é Jurídico!! É tudo! Pô Vanessa... dê uma chance a universalidade canina? heheh

    ResponderExcluir
  5. Hahahaah! Rachei com a opnião do GB sobre as mulheres! E me emocionei com o churrasquinho de frango. Bichinho, ganhou 1 dia mais de vida graças a teu espetinho. Ah, os espetinhos dessa vida...

    ResponderExcluir
  6. Para gostar de cachorros é preciso se desprender de nossa própria humanidade, ou, "adulticidade"... Enxergar com olhos de criança e rir das brincadeiras mais bobas...
    Agora, sobre os cachorros mais engraçados, você se esqueceu do GILMAR! hahahahhaa Ele ganha de qualquer Galgo! ;)
    Beijossssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  7. O post era sobre cachorros ou o cachorro era pretexto ???

    Gosto de cachorros e não gosto do uísque ???

    Comofaz ????

    HUAHAUHAUAHUAHAUAH !!!!

    Dilícia de texto, Thiago !! Tá trejeitado !

    ResponderExcluir
  8. Concordo com o comentário da Ana e ainda faço um parênteses: complicado mesmo é fazer com que as pessoas deixem de ser ignorantes em relação aos gatos...

    ResponderExcluir
  9. A sociologia tá ensinando cada dia que passa que nunca antes na história da humanidade valeu tanto a penas ser cachorro . Daqui a um tempo provavelmente vamos ver em propagandas de consultórios médicos: "um tratamento canino para os humanos." Abração, Thiago! Paz e bem.

    ResponderExcluir
  10. - Uaaaff, rrrr!, hic!
    Muito louco esse ótimo texto canino do tipo "zuzo bem". Fico morrendo de rir quando lembro trechos. Hilariante o trecho cadelas/mulheres, mulheres/cachorras.
    Tanta lengalenga de alto nível para dizer que rumou para uma barraca qualquer, tenho a impressão que ali o diabo aconteceu.
    Parabéns pelo texto, um abraço do Akira.

    ResponderExcluir
  11. olá, cientista político! =)
    adorei o post com o cachorrinho... desculpe meu momento "fofura". rsrsrs
    Passando rapidinho pra te agradecer a visita lá no escafandro. bjsssssssss

    ResponderExcluir
  12. Eu tive uma cachorro uma vez. Eu acho que nós é que somos iguais a eles...

    Aliás o Renato Russo dizia que os homens são bobos como cães e as mulheres, misteriosas como os gatos.

    ResponderExcluir
  13. Lindo. Sensível. Engraçado. Triste.
    Muita coisa aqui nesse texto.
    Obrigada por dividir.
    Mil beijos!

    ResponderExcluir

Trejeite